Livro 4: Emma

O encontro do quarto livro aconteceu dia 5 de dezembro com participação de Cássia, Cátia, Laís, Marina e Nina. Pela primeira vez, aconteceu uma reunião com o clube completo. A nossa discussão, editada, vem a seguir.

Cássia: Só por que hoje eu vou falar que encontrei o homem da minha vida?

Cátia: lol

Nina: SÉRIO????

Marina: Oooooiii.

Cássia: Ué, gente.

Marina: Como assim.

Cátia: Richard?

Marina: Hehehehehehe.

Nina: CONTAAAAAAAAAA.

Cássia: O Knightley.

Nina: Ah!

Cátia: Nãããããããããããoooooooooooooooooooooooo.

Marina: Hahahaha.

Nina: Hahahahahaha.

Cátia: Nnnnnnnnnããããããããããããããoooooooooooooo.

Cássia: Olha a decepção da Nina.

Cátia: Nnnnnnnnnããããããããoooooooooooooooooooo.

Cássia: Não nada, vocês amam o Darcy, fiquem com ele. Eu quero o K.

Cátia: Nnnnnnnnnnnnãããããããããããoooooooooooooo.

Marina: O Darcy é meu.

Cátia: Não, senhora.

Cássia: Sabia que o homem da minha vida existia.

Marina: Já falei.

Cássia: SABIA.

Cátia: O K é meu.

Cássia: O K é seu nada.

Nina: O K? Hahahahahaha.

Cátia: É simmmmmm.

Cássia: Quer todos? Você quer aquele outro lá também, da série.

Cátia: Eu avisei!!!! ai ai ai.

Cássia: Flor, escrever Knightley dá muito trabalho.

Marina: Eu não quero o K só porque ele casou com a Emma, hahaha.

Nina: Adorei!

Cássia: Eu amei a Emma também.

Cátia: Não, menina, eu disse eu te dou o Richard e eu fico com o K.

Cássia: Aliás, esse livro para mim é top.

Cátia: Eu sabia que você não ia resistir.

Cássia: Vou falar horrores dele hoje. Resistir? Até chorei quando ele se declarou.

Nina: Eu tenho que confessar uma coisa: só gostei da Emma na segunda vez que li o livro

Marina: Ah, você gostou dela, nossa, eu num gostei dela não, tenho que confessar.

Cássia: Sério? Eu “xonei” de cara.

Cátia: Mr. K é um antigo amor…

Cássia: Aí, tá vendo? Só eu amei Emma.

Marina: Para mim, ela era uó, uózona, hahaha.

Cátia: Eu amo Emma.

Cássia: Eeeeeeeeeee, mais uma. \o/

Nina: Nossa, eu tinha pavor dela. Chata demais!

Marina: Eu também.

Cátia: Emma é superdivertida, ups.

Marina: Quer se meter na vida de todo mundo.

Nina: Depois eu passei a vê-la de outra forma.

Marina: E ainda se acha a última coca do deserto.

Nina: Hahahahaha.

Cássia: Quem se metia era a Sra. Elton, chata. Deu para perceber que hoje a discussão vai ser quente. Cássia e Cátia de um lado…

Cátia: A Emma só procura fazer o bem, embora de forma equivocada.

Cássia: Nina e Marina de outro. Laís, desempata.

Cátia: Hehehehehehe.

Marina: Ela era chata mesmo, mas a Emma não era muito diferente não.

Cátia: Hehehehehe.

Cássia: É, ela é meio perdida.

Nina: Tudo bem, mas ela é muito entrona, vai. Se mete na vida de Deus e o mundo.

Cássia: A Emma não era diferente da Sra. Elton? Nossa, porrada, porrada, porrada.

Cátia: Hahahahaha.

Cássia: Agora mexeu comigo.

Marina: A única diferença era a maneira de fazer as coisas, mas a intenção era a mesma, a de controlar a vida dos outros.

Cássia: Não era.

Cátia: Gente, Emma é bem diferente da Mrs. Elton.

Cássia: A Sra. Elton se metia, a Emma queria tirar o foco da própria vida, isso fica claro no final.

Cátia: Gente, a Mrs. Elton era daquele tipo de pessoa que se achava muito fina e era uma brega.

Cássia: Exatamente.

Nina: Gente, ela tratava todo mundo como se fosse bonequinha dela.

Marina: E o que ela fez com aquela pobre menina, gente, que raiva daquela moça, fala sério.

Nina: Também acho.

Cátia: Mas ela fez com boa intenção.

Cássia: A Emma fez, pisou na bola feio com a Harriet, mas queria o bem da moça.

Nina: Não acho não.

Cátia: Ela pensou que estava a beneficiar uma pessoa cuja a origem era meio suspeita a ter um bom casamento.

Cássia: É, porque naquela época, isso era um problema. Emma é meu livro preferido da Jane [Austen], eu AMEI. Bem, por enquanto, é ele.

Cátia: É superdivertido. O meu preferido ainda não chegou.

Cássia: O seu é Persuasão? Ou Abadia?

Cátia: Yep.

Marina: Para mim não é não, aliás, é o contrário, o que eu menos gostei.

Cátia: Persuasão.

Cássia: O último.

Nina: Eu AMO Persuasão.

Cássia: Estou vendo que Marina e eu saíremos na porrada.

Nina: Hehehe.

Cátia: O que menos gostei é o primeiro, mas ainda não li a Abadia.

Cássia: Razão e sensibilidade?

Laís: Gente, eu tenho sérias dificuldades com a Jane; sofro para ler.

Marina: O que eu mais gostei até agora foi Razão e sensibilidade.

Cássia: Eu ia escrever razão e preconceito, a louca que mistura livros.

Nina: Eu não gosto de Emma.

Cássia: Vamos lá, vamos dividir, muita calma.

Marina: Isso aí, Ana !!! Tô contigo.

Cátia: Eu adoro a Emma.

Cássia: Nina e Marina, podem falar por que não gostam. Cátia e eu ficaremos quietas.

Cátia: Sim.

Cássia: Laís, tome partido se gosta ou não. Vai, podem falar.

Marina: E a Laís, o que você acha? Bom, a moça Emma já começou a me irritar desde o início quando impede a Harriet de casar e depois só foi piorando.

Laís: Não gostei do que li de Emma; digo do que li porque não deu tempo de terminar… Chato.

Marina: E quanto mais eu ia lendo e mais ia vendo que nada do que ela fazia trazia consequência para ela e sim para os outros, eu ficava mais brava e com menos vontade de ler.

Cássia: (Cássia e Cátia se contorcendo, quietas.)

Cátia: lol

Laís: Concordo com a Marina. Menininha mimada, cheia de si, dona da verdade, manipuladora.

Cássia: (Cássia, respira!)

Marina: Isso, Laís, hahahaha.

Nina: Não gosto da Emma. Ela é arrogante, se mete na vida das pessoas, acha que tem o direito de dizer o que as pessoas devem ou não fazer. Achei o que ela fez com a Harriet o fim da picada, gente!!! Mimada e arrogante!!! Hahahahaha.

Laís: Bom, Nina.

Cássia: Terminaram? Ah, tem a Laís, vai.

Marina: Eu terminei, e concordo com as duas.

Laís: Eu falei, Cassinha; manipuladora, mimada, cheia de si, dona da verdade.

Cássia: Cátia e eu podemos começar?

Laís: Sim.

Nina: Siiiim!!

Marina: Pode.

Cássia: Primeiro, não acho nada disso dela. Ela não é mimada, arrogante e manipuladora… Ela tem traços de moça egoísta, porque tinha perdido a Miss Taylor, vulgo Mrs. Weston, e sabia que estava fadada à solidão, porque não queria casar por conta do pai. Assim, quando o (esqueci o nome dele) pediu a Harriet em casamento, ela achou um bom motivo para se meter porque mataria o assunto: continuaria com a amiga e poderia arrumar um bom casamento [para a Harriet]. Ela queria sim o bem da Harriet… mas mete os pés pelas mãos.

Cátia: Mr. Martin.

Cássia: Isso, obrigada! Tanto é que ela não notou nada do que aparecia a sua frente. Todas as tramas, ela neeeeeeeeeeeeeem sacava. E ela abria mão do que queria muitas vezes por conta dos outros, abdicou do casamento pelo pai, começou a se desinteressar pelo Frank pela Harriet, ficou arrasada quando soube do amor da Harriet pelo Mr. K e se redimiu com todo mundo no final, até com a Jane, reconheceu a própria atitude. Seres mimados e arrogantes NÃO se redimem. Cátia, sua vez.

Cátia: Bem, se me permitem, eu devo dizer que amo Emma.

Cássia: \o/

Cátia: Eu não acho que Emma seja arrogante. E ela poderia sê-lo, já que a sua condição social e beleza o permitiriam. Ela, se fosse arrogante, nunca daria atenção a uma pessoa como Mrs. Bates. E a única vez que ela foi indelicada com a mesma foi por influência do F. Churchill. O que me leva a convicção de que Emma não é manipuladora. Aliás, penso o contrário. Ela foi a pessoa mais manipulada desta história. Foi por F. C. e até mesmo pela Mrs. Weston que (por bondade) queria juntá-la ao seu enteado.

Cássia: É mesmo, não tinha pensado nisso…

Cátia: Emma é persuasiva. Ela tem carisma e defende com afinco aquilo que acredita. Portanto, a persuasão dela vem do facto de acreditar profundamente que estava a fazer o bem e a beneficiar o futuro de sua amiga. E, por isso, eu não acredito também que Emma seja arrogante, senão ela nunca aceitaria as correcções de Mr. K, que em tudo sempre foi franco e directo com ela. E mesmo quando a recrimina, ela aceita e se corrige. Emma é sim um pouco mimada; mas penso que é normal. Uma mimada não birrenta, mas uma mimada normal. Que gosta de carinho e atenção. Emma, para mim, é uma lição de erro e correção, entre outras coisas. E, claro, Emma me faz rir.

Nina: Vocês foram firmes no que pensam sobre a Emma e até posso concordar em alguns pontos, mas não muda para mim o fato dela ser sim mimada e arrogante ao achar que pode (e deve) interferir na vida das pessoas do jeito que acha certo. O próprio K discordava da maneira como ela “conduzia” as coisas com a Harriet. E não me parece que ela ficou amiga da Harriet por ser uma amiga de verdade, mas porque se…

Cássia: Calma, antes de qualquer coisa: a nossa discussão não versa sobre convencer ou mudar quem quer que seja, viu, meninas? Cátia e eu amamos Emma, vocês não, e tudo certo.

Nina: Sentia sozinha e precisava de alguém ao seu lado. Não vejo a Emma tão nobre assim. Ela pode sim ter aprendido com os erros, mas não sei se foi tão nobre.

Cássia: Mas niguém falou em nobreza, Nina… Eu mesma disse que ela foi egoísta e acho sim que a grandeza da personagem é essa humanidade. Ela não é a heroína Jane Austen que pode tudo, está acima de tudo, mesmo quando tem defeitos, como é o caso da Lizzy, por exemplo.

Cátia: O que é ser nobre?

Marina: Também acho, tanto porque a “correção” que a Cátia falou eu não concordo tanto assim, porque no final das contas foi pura sorte o fato da Harriet não acabar sozinha para o resto da vida, sorte porque o Martin não casou com outra e ainda estava disposto a casar com ela, foi pura sorte das duas, se não fosse por isso, a Emma ia ter destruído a vida da menina.

Nina: Exatamente.

Cássia: Sim, teria destruído.

Cátia: Será?

Cássia: Mas a gente esquece que nós mesmos pisamos na bola na vida de muita gente por aí… Todos os nossos atos influenciam a vida dos outros, nós que não nos damos conta.

Cátia: Não me pareceu que Harriet fosse tão convicta.

Nina: Exatamente.

Cássia: Além disso, ninguém nunca mais ia querer se casar com a Harriet? Duvido…

Cátia: Eu achei mais do género “este Mr. Martin até daria um bom marido e se calhar não encontro mais ninguém”. Não sei se a vida dela estaria destruída. Aliás, Harriet inclinava para qualquer lado.

Marina: Ela era, claro que era, ela estava pronta para aceitar, queria ajuda em como escrever a carta dizendo que aceitava, a outra lá que a convenceu que ele não a merecia. E, aliás, a convenceu de uma maneira horrível, falando que a Harriet era melhor que ele, e que se ela casasse com ele, as duas não iam mais poder ser amigas, que isso, gente, olha com uma amiga dessas ninguém precisa de inimigo, viu.

Cássia: É, mas alguém comenta no livro, não lembro quem, que Harriet mudou de lado três vezes.

Laís: Eu concordo inteiramente com a Marina.

Nina: Concordo com a Marina.

Cássia: Gente, ela pisou na bola e se redimiu. Eeeeeeita, que ferro e fogo é esse? Condenar a pobre por uma pisadona na bola?

Nina: Se redimiu porque a coisa mudou pro lado dela.

Cátia: Mas se Harriet estivesse mesmo apaixonada dava um fora na Emma.

Cássia: Mentira. Ela se redime e repensa as coisas ao longo da história, ela não surta e de repente pensa em mudar.

Cátia: Isso.

Cássia: E é mesmo, a Harriet, se quisesse MESMO o Martin, ficava com ele.

Cátia: É um processo.

Cássia: Não tem essa da amiga convencer.

Nina: Claro que não, gente. A Harriet teve a Emma do lado dela o tempo todo deixando claro que o Martin não era para ela. Claro que tem.

Cássia: Ah, e, por isso, ela aceitou? Ela não queria tanto o Martin.

Nina: Naquela época, isso contava e muito.

Cássia: Ela mudou de lado várias vezes.

Laís: Mas eu concordo também que a Harriet era meio cabeça fraca; Emma não era flor que se cheire, mas a outra também era meio deslumbrada, vai.

Cássia: Toda hora ficava a fim de um.

Marina: A menina admirava a Emma, e já se sentia inferior, é difícil se impor quando se sente assim. E alguém que você admira fala com tanto convicção que aquilo é errado.

Cátia: E a origem também contava muito.

Nina: A Harriet era pobre, fraca e não tinha muitas perspectivas de vida até a Emma entrar na vida dela.

Cátia: E Harriet sabia que devido a origem dela, não podia esperar muito.

Cássia: É, a Harriet colocou expectativas demais em cima da própria pessoa. Bastava ela se interessar, ou a Emma ajeitar, para um homem querê-la?

Nina: E isso se deu por culpa de quem?

Cássia: Ela sempre se achava correspondida.

Nina: Agora você está dizendo que a Harriet é culpada do que lhe aconteceu???

Cássia: Também é.

Cátia: E Emma acreditava realmente que Mr. Elton estava a fim da Harriet.

Cássia: Ela é responsável pela sua vida, é tão fácil a gente culpar os outros pelas nossas mazelas.

Nina: A Emma QUERIA que o Mr. Elton estivesse.

Cássia: E a Emma queria o melhor para a Harriet.

Cátia: Eu acho que as duas foram ingénuas.

Cássia: Queria, mas ele não quis.

Marina: E não é só com a Harriet, a Cátia falou que a Emma tratava bem Mrs. Bates, mas não era sincera. O livro mesmo fala que a única vez que a Emma foi até a casa da Mrs. Bates com sinceridade no coração foi quando ela pisou na bola.

Cássia: A Emma não percebia o que rolava ao seu redor. Ah, gente, menos! A gente trata bem todo mundo de coração? Eu não. Tem gente que não suporto, mas tenho educação.

Nina: Lógico que não.

Cátia: Não, eu interpreto que Emma achava Mrs. Bates enfadonha.

Cássia: A Mrs. Bates era chatíssima.

Nina: Mas daí a se meter na vida das pessoas é outra coisa.

Cátia: Mas apesar disso ela era generosa e a visitava constantemente.

Marina: E o jeito que ela fazia gracinhas com o F sobre a Fairfax.

Cássia: Não era pela condição social, a mulher era insuportável.

Nina: Sim, a Mrs. Bates era chatééééééééérrima.

Cátia: Uma pessoa na condição social da Emma não tinha nem por que dar bom dia, essa era a verdade desta época.

Marina: Não estou falando que a gente não faz essas coisas, só estou falando que a Emma não era tudo isso que vocês estão falando.

Cássia: É verdade. Mas ninguém está falando que Emma é tudo isso, pelo contrário, a gente só entende os motivos pelos quais ela fez o que fez.

Cátia: Mas Emma não é perfeita.

Cássia: Ela não é uma mulher venerável.

Cátia: Senão seria chata.

Nina: Faço minhas as palavras da Marina.

Cássia: Exatamente. O que eu amo em Emma…

Cátia: Eu aponto o real defeito.

Cássia: e nisso vou defendê-la até o fim…

Cátia: A meu ver, claro…

Cássia: é sim repensar o próprio orgulho.

Cátia: que eu encontrei em Emma.

Cássia: Porque, na boa, ela casou com o cara top do condado. Não precisava ter se redimido.

Cátia: lllllllloooollllllllll

Cássia: Nem dado “oi” para mais ninguém naquele lugar. E, mesmo assim, ela foi de um em um se redimir. Desculpa, Cátia.

Cátia: Ai, Mr K…………..

Cássia: Fala o defeito.

Cátia: Bem, não é bem defeito.

Nina: Não estou falando que a gente não faz essas coisas, só estou falando que a Emma não era tudo isso que vocês estão falando. Boa!

Cátia: Eu acho que Emma sempre agiu menos bem com Jane. E eu também amo Jane Fairfax.

Cássia: Nina, nós acabamos de dizer que não achamos Emma tudo isso, helloooooo.

Nina: Jane Fairfax foi a melhor parte do livro.

Laís: A Marina fala pouco, mas fala o que eu gostaria, rs.

Cássia: Exatamente. Para mim, esse foi o maior erro dela, e não o que aconteceu com Harriet.

Marina: Hehehehehehehe. Isso, eu concordo com vocês, adoro a Jane.

Cátia: Sim, deixou-se cair na lábia do Mr. Churchill e foi sempre muito injusta com Jane.

Cássia: Eu me identifiquei com aquele sofrimento, coitada.

Marina: Por isso me irritava com a Emma, hahahaha.

Cássia: Guardando tudo calada.

Cátia: Tenho pena desta personagem ser pouco desenvolvida.

Cássia: É, mas no lugar da Emma, não sei se eu ficaria amiga da Jane de cara, mesmo. Porque, nisso, eu acho que ela percebeu sim que havia algo entre eles.

Nina: Acham sim. Essa coisa que vocês estão falando de que ela se redimiu é só para dizer que ela é um ser humano melhor, sei lá. Nada, nada. Para mim, ela só fez o que fez porque a vida dela sofreu uma mudança radical.

Cássia: E ela era daquelas que preferem não saber.

Marina: Mas num é de cara, elas se conheciam desde pequenas, e ela nunca quis saber da moça, vai falar que não é arrogante, uhauahauhaa.

Cássia: Tudo bem, Nina, é direito seu. Mas é direito nosso achar o contrário. Só isso. E vou continuar achando.

Nina: Claro.

Cássia: Não, elas eram amigas antes.

Laís: Sabem de uma coisa?

Cássia: Sim.

Laís: No meio dessa discussão toda, penso uma coisa. A vida é dinâmica. A gente pisa na bola mesmo, erra mesmo, volta atrás, se redime… Maaaaaaaaaas vai errar de novo, certamente; não precisa ser o mesmo erro, é bem provável que não seja; mas a gente vai errar. Então, tentem imaginar que o livro não acaba onde termina; imaginem a história continuando, a Emma errando outra vez, de outras maneiras, sofrendo com coisas diferentes.

Cátia: Acho que seria casamenteira até morrer.

Marina: Aff.

Nina: Aff.²

Cássia: Mas ninguém imaginou que ela não erraria mais. O ponto é outro. Não, ela mesma disse que pararia com isso de ser casamenteira.

Cátia: Isso é o que ela diz…

Nina: Hahahaha. Boa!

Cássia: Sim, mas nem acho errado ser casamenteira.

Cátia: Eu também não.

Cássia: A maioria das mulheres quer mais que a outra se dane, hehehe. A Emma quer todos casados e felizes.

Cátia: Sim, essa é a diferença. Mesmo com Jane, ela não lhe queria mal.

Marina: Eu acho que é falta do que fazer, isso sim, hehehe, e gostar de brincar com as pessoas como se fossem bonecas.

Cátia: Só não gostava de concorrer em atenção.

Laís: Mas isso não é um risco também?

Cássia: Ela não brincou com os outros. Meeeeeeeenos, Marina! Hehehe.

Laís: Tipo, você quer os outros felizes, mas pode meter os pés pelas mãos.

Cássia: É, ela tinha uma lado leonina.

Marina: Eu acho que brincou, uai.

Cássia: Sim, e meteu os pés pelas mãos.

Nina: Tipo, eu quero que você Marina se case com o João da padaria porque eu acho que é bom partido para você. Por favor!!!

Laís: Acho que a intenção dela não era brincar.

Marina: Eu num ia querer uma dessas como amiga, só isso.

Cássia: Nem eu disse que queria.

Marina: Hahahaha.

Cátia: Bem, falamos de outra época.

Cássia: Eu só entendo o lado dela. A gente esquece que, naquela época, se não casasse, estava perdida. E se casasse mal, estava perdida ao cubo.

Cátia: Falamos de uma época em que ser bem casada era um projecto de vida.

Cássia: Exatamente. As meninas nasciam e cresciam para isso. Aliás, nesses quatro livros que já discutimos, esse assunto se repete. Mas em vez da gente ficar discutindo apenas sobre a personagem principal, não vamos falar dos outros?

Nina: Boa!

Cátia: Nós devíamos estar a brigar, mas era com o comportamento detestável do Frank, da Mrs. Elton sebosinha.

Cássia: Exatamente.

Nina: Nojenta.

Cássia: O Frank, para mim, não era homem.

Laís: Hahahahahahaha.

Cássia: Ele estava muito mais preocupado com o que iam achar do que com a segurança emocional da Jane.

Cátia: Eu tenho de dizer que estava ansiosa por este livro.

Marina: É, ele era meio bobo.

Cássia: Aliás, quem mais mal fez a Jane foi justamente ele… era responsabilidade DELE garantir a tranquilidade dela.

Nina: Repararam que tem sempre um personagem assim nos livros de Jane Austen?

Cátia: Porque de todos o Frank é o canalha mais canalha.

Cássia: Ele é mesmo. O canalha dos canalhas total.

Cátia: Os outros até têm menos agravantes.

Cássia: É, esses homens deveriam existir aos montes.

Cátia: Agora ele…

Marina: Ainda existem.

Cátia: Detestável e covarde.

Nina: Aff! do jeito que eu tinha o dedo podre… se eu vivesse nessa época… hahahaha.

Cássia: Sim, existem, mas hoje a mulherada é mais esperta… ou não.

Laís: Isso nunca deixa de existir.

Cássia: Hahahahahahaha.

Marina: A gente espera que sim, hehehe.

Cássia: Eu sei lá como agiria, já ajo errado hoje.

Cátia: lol

Laís: Gente, é difícil agir certo.

Cátia: Vocês já imaginaram o que ele fez sofrer a Jane?

Cássia: A Jane ficou doente!

Laís: A gente só acha que as pessoas ficam mais espertas com o passar das épocas, rsrsrs.

Cássia: Mas é bom ficar esperta, porque quem sofre somos nós, hehehe.

Nina: Nossa, eu senti o sofrimento dela.

Cássia: Eu também senti.

Cátia: A minha decepção com a Jane foi no fim, ela ter ficado com ele? A primeira vez que eu li pensei “como assim?”

Cássia: Eu até entendi.

Nina: Eu também entendi, apesar de não concordar.

Marina: Eu queria que ela tivesse ficado com K.

Cátia: Gente, eu não entendo.

Cássia: Depois que a Fanny Price ficou com o primo, ai ai, espero tudo. Ah, eu não.

Nina: Kkkkkkkkkkkkkk.

Cátia: LOL

Cássia: Na verdade… eu ficava imaginando com quem a Emma ficaria, porque eu não sabia quem era. Então, li no blog que a Cátia participa, sobre os casais da obra da Jane…

Cátia: Eu entendo mais rápido a Fanny, embora o primo tivesse menos charme que o F.

Cássia: Poxa, eu entendo a Fanny, mas o primo, ah, meu Deus.

Cátia: Bananão.

Cássia: Cacho de banana!

Cátia: lol

Nina: Eu tenho o primo na minha cabeça como um bobo, sei lá.

Cássia: O cara mais bolacha água e sal do mundo.

Nina: Sabe aquelas imagens de seminaristas? Sem graaaaaaaaaça!

Laís: Gente, menos; eu gostava do primo.

Cátia: Vocês viram as versões da Emma?

Laís: Tadinho.

Cássia: Ah, tadinho, Laís?

Nina: Versões?

Marina: O único final da Jane que realmente me agradou foi do Orgulho e preconceito, os outros sempre tem alguma coisa meio bleh.

Cássia: Versões?

Cátia: De filmes?

Cássia: Eu não vi!

Cátia: Gente…

Cássia: Quero ver agora e tal.

Cátia: Vocês tem que ver.

Nina: Eu vi o da Paltrow e o da minissérie da BBC.

Cássia: Eu não sou do time “Orgulho e preconceito”.

Cátia: A última versão da BBC é muito boa.

Nina: Adooooooro também. O K é fofooooooooooooo.

Cássia: A BBC é top em Jane, né? Apesar de que não assisti nada. Vamos falar dele, gente?

Cátia: Também gosto da versão Paltrow.

Cássia: Vamos vamos vamos.

Nina: Tá bom, Cássia! Hahaha.

Cátia: Vocês têm que ver. Voltemos, então.

Nina: Eu tenho as minisséries da BBC.

Cássia: Eu preciso comprar.

Nina: O K é tudo de bom.

Cássia: Ai ai, eu amei o K.

Cátia: Mas a última versão da BBC de Emma tem um Mr. K fraquinho.

Cássia: Por enquanto, o homem top de Jane, para mim.

Laís: Gente, sei que fiquei pouco, mas eu preciso ir. Vocês me desculpem?

Cátia: O da Paltrow é a encarnação do Mr. K.

Cássia: Sério? Verei o filme. Tudo bem, Laís.

Nina: Mas eu não gosto da Paltrow como Emma.

Cássia: É? Ela ficou ruim como Emma?

Nina: Ficou sem sal.

Cátia: Eu gosto e não gosto.

Cássia: O da série é bom?

Laís: Beeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeijos!

Laís saiu da conversa.

Cátia: Acho que nenhum filme ainda mostrou uma actriz que fizesse totalmente bem de Emma. Todo mundo gosta muito da Romola, da série da BBC.

Cássia: Verei a série. É que Emma é mesmo um papel difícil.

Cátia: Mas o melhor Mr. Knightley é da versão da G. Paltrow. E eu sou especialista em Mr. K.

Cássia: Eu acho que o K é a personificação de homem com caráter.

Nina: Olha ele: http://www.imdb.com/name/nm0000562/

Cátia: Simmmmmmmm.

Cássia: Se tem homem que tem de ensinar os outros a ser homem, é ele!

Cátia: Também há um filme de 1996, mas não gosto muito dessa versão, embora tenha a melhor Jane Fairfax. Só não vi a versão de 1972.

Cássia: Caramba, você ama mesmo Emma!

Nina: Você gosta mesmo de Emma, hein?

Cássia: Gente, o ator que faz o primo da Fanny Price no filme é o Mr. K da série da BBC. Não pode!

Cátia: Sim.

Nina: Sim.

Cátia: É Mr. Elton.

Cássia: Não pode. Como assim, quem escalou o elenco? Hehehehehe.

Cátia: Hahahahahahahahaha. Ahhhh, e tem mais.

Nina: Pois É. Eu enviei email contando isso para vocês no dia que assisti. Quase caí dura! Hahahaha.

Cátia: Numa das versões de Mansfield Park, o primo é o que faz Mr. K na última versão de Emma. lolololololol, nada a ver.

Cássia: Nada mesmo, cara de moleque banana, o Mr. K é homão!

Cátia: Ah, pois é, agora o Jeremy Northam faz um Mr. K impecável, adoro quando ele diz “badly done, Emma!”, até me arrepio

Cássia: Ai ai.

Nina: Hahahahaha.

Cátia: lolololololoololol

Marina: Hehehehe.

Cátia: Hahahahaha.

Cássia: Toda vez que eu me interessar por um homem agora, darei Emma de presente.

Nina: Hahahaha.

Cássia: Sublinharei as passagens de Mr. K.

Cátia: “Brothers and sisters? not at all…”

Cássia: Alta mensagem subliminar.

Marina: Cuidado para ele não achar que tem que copiar o F.

Cássia: Aaaai, essa parte é demais!

Cátia: Hahahahahaha.

Cássia: Ele dá uma baita deixa. Não, eu vou sublinhar o K. E as outras mulheres? A gente falou um pouquinho só.

Cátia: Jane, maravilhosa.

Cássia: A Jane é uma mulher de fibra.

Cátia: Cheia de classe e fibra, isso.

Cássia: Ela era o K de saia.

Marina: É, eu gostava muito dela.

Nina: Acho que ela merecia um livro só dela.

Cátia: Sim.

Cássia: É mesmo… ela merecia ser uma das “heroínas” de dona Jane.

Cátia: Foi pouco desenvolvida, não acham? O que não daria o conflito interior que ela viveu.

Cássia: Acho que o problema é que tudo dela tinha de ser “guardado”. A gente não podia saber. Se ela fosse a protagonista, a gente saberia do segredo, os outros não.

Nina: Tem razão.

Cássia: E daí a gente entraria ainda mais no seu sofrimento.

Cátia: E o livro não é sobre sofrimento.

Nina: Mas poderia ter sido lançado depois, hihihihi. Tipo… atendendo a pedidos.

Cássia: Hehehehehe.

Cátia: Hehehehe.

Cássia: É, acho o livro mais “levinho”, porque se a gente não se aprofunda, vê que essas atrapalhadas todas têm sua graça (quando não é com a gente, claro!).

Marina: Acho que ela deveria sofrer que nem a Elinor, do Razão e sensibilidade.

Nina: Nossa.

Cátia: Acho que mais.

Nina: Aquele foi o sofrimento mais difícil para mim. Eu sofri junto com ela.

Marina: Eu também.

Cátia: Acho que Jane sofreu mais.

Cássia: Sofria mais.

Cátia: Porque pelo menos Edward era nobre…

Nina: Sim.

Cássia: É… e ela [a Jane] estava comprometida com o Frank.

Cátia: e não um canalha que ficava paquerando a outra na frente dela.

Cássia: Pensa, ver tudo aquilo na frente de todos…

Nina: Mas o sofrimento da Elinor era mais explícito.

Cássia: e não poder fazer NADA?

Nina: Deus me livre, hehehe.

Cássia: Nossa.

Marina: Pode ser.

Cássia: Se fosse uma novela, ela agarraria um outro na frente de todos, no baile, e o Frank não poderia fazer nada, hehehehe.

Cátia: lol

Marina: Hehehe.

Cássia: E ainda sorriria para a câmera.

Cátia: E o Mr. Elton tentando pegar na Emma? Isso daria um bom episódio.

Cássia: Daria mesmo.

Nina: E balançaria o cabelo como num comercial de shampoo.

Cássia: Hauahuahuauhahuuhahuahuahua.

Marina: Ah.

Cátia: Nos filmes é superdivertido.

Cássia: Eu preciso ver!

Cátia: Gente, eu tenho de dizer que eu adoro o pai da Emma.

Cássia: Por quê?

Cátia: Todo hipocondríaco, todo preocupado, todo com pequenas esquisitices, fico imaginando o meu pai a ficar assim, sei lá.

Cássia: Hehehe… acho que o meu pai será assim quando ficar mais velho.

Cátia: Mesmo a figura de alguém idoso com aqueles pequenos “senãos”.

Cássia: Não, hipocondríaca é a minha mãe, mas ambos terão os seus “senãos”.

Cátia: Todos teremos, não é?

Nina: Acho que sim.

Cássia: Ah, sem dúvida.

Marina: Um dia todos chegam lá.

Cássia: Mas aí está algo que almejo, a velhice.

Nina: (Gente, preciso ir!!!!)

Cássia: Tudo bem, flor.

Nina: Adorei o encontro!!! Beijos e até o próximo.

Nina saiu da conversa.

Cátia: I love Mr. K, e quando chegar ao Persuasão, você vai querer estar casada com o Mr. K segundas, quartas e sextas, e com o capitão WentW., terças quintas e sábados.

Cássia: Sério?

Cátia: lolololololol

Cássia: É muita felicidade, tanto homem bom junto.

Marina: Hehehehe.

Cátia: Ele escreve uma carta nesse livro…

Cássia: Há esperança, meninas!

Cátia: que eu vou te contar. Ele diz “you pierced my soul” UUUUUIIIIIIIIIIIIIIIII

Marina: Hehehe.

Cátia: Ele não tem a nobreza do Mr. K, mas tem outros atractivos.

Cássia: Mas essa nobreza do K, olha… me impressionou.

Cátia: A Jane entendia de homem, pode ter ficado solteira…

Cássia: E vocês acharam esse livro o mais bem-escrito até agora? Falam isso.

Cátia: mas ela entendia do babado.

Cássia: Entendia mesmo.

Cátia: É difícil dizer, eu acho Orgulho e preconceito bem construído.

Marina: Eu não acho, mas respeito quem acha, hehehe.

Cássia: Eu achei, hehehehe.

Cátia: Mansfield é denso, Emma também é bem-construído.

Cássia: Especialmente por todos os meandros e confusões.

Cátia: O primeiro não acho tão bem-construído.

Cássia: Ela consegue armar todas as tramas e desfazê-las to-das.

Cátia: Mas ainda não li a Abadia.

Cássia: Até a gafe do Frank, quando ele soube de algo pela Jane, mas não podia falar que era de uma carta dela.

Cátia: Acho que é o mais longo.

Cássia: Ela resolveu lá na frente, quando ambos conversam com a Emma. O Abadia?

Cátia: Este livro, Emma.

Cássia: Ah, entendi, longo mesmo… mesmo adorando, achei que não fosse acabar.

Cátia: E acho que ela soube desenvolver bem os diálogos e as tramas. O o&p tem mais ritmo, é o mais ritmado a meu ver.

Cássia: Entendi… eu preciso ler uma boa tradução de Orgulho e preconceito, a que tenho não é lá essas coisas. Marina, está aí? Vamos terminar então, meninas?

Marina: Estou.

Cátia: Penso que fica a certeza que com Emma não há meia medida. Ou se ama ou se detesta.

Cássia: É verdade.

Marina: É.

Cássia: Amei o papo, adorei a discussão, amo a Emma e amo mais ainda o K.

Marina: Também.

Cátia: lol, eu também.

Cássia: A Cátia falou que eu ia amá-lo.

Cátia: É.

Cássia: Quando eu for casar, o noivo vai ser entrevistado pela Cátia.

Cátia: Para que eu fui dizer……

Cássia: Ela vai analisar se eu gostarei dele como marido.

Cátia: lol

Cássia: Está vendo? Você foi Emma.

Lista dos livros de Jane Austen

  • Razão e sensibilidade
  •  Orgulho e preconceito
  •  Mansfield Park
  •  Emma
  •  A Abadia de Northanger
  •  Persuasão

Os livros serão lidos na medida que foram escritos. Como não há certeza se essa ordem corresponde à realidade, pelo menos mantivemos as datas em que foram publicados. A nossa ideia é “entender” as mudanças literárias de Jane Austen pela sequência de seus livros.